sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Meu Natal, enxoval de intercâmbio e os presentes da HF

Olá meu povo!!!

Antes de mais nada, Feliz Natal atrasado e feliz 2014 adiantado (já que provavelmente meu próximo post será em 2014 - meu Deus, time flies!). Eu amo essa época do ano, tempo de reflexão e preparação para o que vem em frente. E, nesse ano, com um sabor especial ne? Bom, espero que nossos novos ciclos sejam maravilhosos, repletos de bençãos e também, que sejamos fortes para superar os obstáculos que com certeza virão.

Agora um aviso: post grande! Muitos assuntos, muitas fotos (se clicar em cima, dá pra ver no tamanho orginal). Eu até poderia dividí-los em mais posts, mas tô indo pra praia amanha com a família e uma amiga, e só volto dia 01. Quando isso acontecer, vai ter muita coisa pra ver, mala pra arrumar e o last post pra escrever! Então, não daria tempo pra mim, já que no dia 04 to embarcando. Se se interessarem e quiserem ler tudo, façam isso partes, acho mais acessível rs.

Agora sim, ao que interessa: hoje meu weird feeling já não é mais o mesmo: estou muito excited com a chegada do meu embarque! *-* (ê montanha-russa haha)

Meus dados de voos já foram liberados e a minha sega rumo a NY eu conto pra vocês em um post próximo.

Sexta-feira passada, dia 20/12, fui para SC com minha irmã e minha tia - fui de avião, e IMPOSSÍVEL não pensar: "próxima vez que eu vier aqui, a situação vai ser beeem outra". Foi presente de Natal do meu pai para nós três, visto que eu, infelizmente, não estava disposta a gastar dinheiro com uma viagem dessas (mesmo que barata, na minha opinião: R$500 por pessoa, para 4 noites e 5 dias). Foi uma espécie de despedida em grande estilo rs e também, uma forma de levar minha tia pra passear, já que ela passa o ano inteiro de casa pro trabalho e vice-versa, cuidando da minha vózinha materna que não anda muito bem da cabeça :\

Tivemos dias maravilhosos, e todas adoraram (aliás, impossível não gostar de Florianópolis hehe)...

Canasvieiras, Florianópolis

Canasvieiras, de novo

Catedral Metropolitana - Praça XV, Florianópolis


Cara de pavor da minha tia - primeira vez nas alturas! hahaha


Voltamos dia 24/12 à tarde. Meu pai nos buscou no aeroporto de Porto Alegre e fomos direto pra casa da minha vó, em Farroupilha. Dormimos e passamos o dia 25 lá. Foi bem legal, e minha despedida da família materna. Primeira despedida com choradeira. Quando voltamos pra minha cidade, foi pra ir até a casa dos meus avós paternos, já que eles só tem filhos homens e normalmente o dia 25 passam sozinhos, já que a filharada ta tudo nas sogras, rs.

Minha avó materna, minha mãe e dois dos irmãos dela.
Bom, depois disso, hora de voltar pra casa super cansada, num calor de 40º e voltar a trabalhar as engrenagens do cérebro em favor da mala hehe

O primeiro item de um enxoval de intercâmbio, principalmente para intercambistas de primeira viagem, é a mala. Já falei pra vocês que comprei uma mala grande e uma carry on (R$260 e R$50, respectivamente) mas não tinha colocado fotos e como precisei tirar pra ajudar minha amiga a tirar umas dúvidas e isso tem tudo a ver com o assunto do post, vou compartilhar com vocês também, embora elas sejam bem normais rs

                              

                   

                  

Essa mala, eu escolhi, porque é grandinha (maior do que parece nas fotos, trust me! haha) Eu gostei também desse bolsão da frente (foto '3'), pretendo colocar ali alguns livros - aliás, to achando que os livros que quero levar vão pesar mais do que as próprias roupas rs Além disso, tem esse fechinho extra, das fotos 5 e 6, que aumenta alguns centímetros na altura da mala, caso ela esteja muito cheia. E ali na penúltima foto, aparece o trequinho pra colocar o cadeado. Segundo a vendedora, dessa maneira os 'ladrões' não vão abrir o fecho com a caneta porque não vai dar pra fechar de novo, já que ele vai estar fixo ali BUT, vai que eles só veem isso depois de terem aberto a mala, na hora de fechar? Por via das dúvidas, vou gastar alguns reais e plastificar a mala, acredito que é único meio que se aproxima mais da palavrinha 'segurança'. Bom, como eu disse antes, pretendo embarcar com a mala, a carry on (que com os botoes laterais e em baixo aberto fica bem grandinha) e o case do notebook. Minha unica preocupação é o peso, mas, nada de sofrer por antecipação.

Além da mala, claro, muuuuitas coisinhas precisam ser vistas, e eu, pra não esquecer nada (lembram do passaporte? pois é!) fiz um arquivo do word, deixei na minha área de trabalho e nomeei "Pre-arrival, your dream is coming true!" haha sei, sei, bem brega mas foi a emoção do momento rs Dividi em 'to do', 'to buy' and 'to bring with me'. Vez  ou outra dou uma olhada/atualizada.

Vou colocar aqui apenas parte dos presentes que ganhei, senão, ia ficar difícil tirar foto de tudo (sério, eu não imaginava ganhar tanta coisa de despedida :O ) Tem coisas que ganhei e n pretendia levar, mas, sei que os presentes foram escolhidos com muito carinho, então, vou levar tudo comigo pra me lembrar de vez em quando, que tem pessoas queridas me esperando. Também ganhei dinheiro do meu avô, da minha avó e do meu tio (ajudou bastante! hehe)

                                     
                                     








Bom, na primeira foto tem as toalhas (que eu não pretendia levar, já que ganhamos no treinamento e na casa da host family) e a minha manteiga de cacau! Não posso chegar naquele friozão sem hdiratar meus lábios - foi o que a cabeleireira me falou hahaa

Na segunda foto, tem o pijama mais comprido que a minha chefe achou para me dar! Uma calça três quartos hehe #cute Mas gente, impossível achar pijama comprido nessa época! Minha mãe resolveu o problema: dormir de meia calça rs Tem também o tênis. Esse eu comprei. Eu sei, eu sei: "não comprem nada, meninas! Lá é barato". Mas gente, eu não tenho tenis. Passei o ano inteiro com um único par, mega surrado e rasgado na sola já, rs #pãodura. Então, comprei esse.

Na foto de baixo um apanhado dos acessórios de frio que ganhei. Adorei tudo, tem polaina, calça térmica, meias beem compridas, luvas e etc. To louca pra usar! Só falta acrescentar ai o hat e scarf que minha host fez pra mim. já ta no caminho e eu to rezando pra chegar em tempo! (yn)

Embaixo tem um casaco que uma tia me deu. É bem bonzinho e posso colocar vaaaaarias roupas por baixo. Também ganhei muuuuuuuuitas roupas dessa mesma tia, roupas usadas, mas em ótimo estado! Ela me deu outros também, mas não vou levar. Vou levar apenas esse e mais um. Dois tá ótimo pro começo (tô pensando na volta né, dizem que trazemos o mundo inteiro de volta hahaha)

Depois, meus livros! *-* Alguns dos que quero levar. Mas vou ter que pensar nisso ainda... por causa do peso. Aquele ali "Meditações para maltrapilhos" ganhei de uma amiga muuuuuito querida. É uma meditação para cada dia do ano, baseado em uma passagem bíblica. Tô louca pelo dia 01! haha tenho certeza de que vai ser ótimo pra mim. E vejam o marca-página, escolheu a dedo pra mim - querida - "Ensina a criança no caminho que deve andar: e até o fim da vida não se desviará dele." Provérbios 22, 6. 

Tem ali também meu primeiro livro em inglês, comprei agora, em Florianópolis. É, shame on me! Anos pensando em ser au pair, e nunca me toquei de comprar um livro em inglês! Gente, é OTIMO! Aprende muito mesmo. MUITO. Sem falar nessa história, que é linda demais né? Amo o filme, é um dos pouquíssimos que minha mãe assistiu até o fim, sem dormir! Sérião. 

E na última foto, as bandeiras! A do RS eu tinha comprado pra JMJ, lembram? Paguei carinho, pouco mais de R$70 (era julho gente, eu ainda não tava nem aí para a cotação do dólar! haha) A do Brasil é bem fajuta, comprei agora em Florianópolis. uma canga. rs

E por fim, mas não menos importante, os presentes da host family! Gente, que tenso. Agora entendo o que algumas meninas dizem de querer sair comprando tudo pra sua família. Lá em SC, tudo o que eu via queria levar pras kids haha Mas daí eu deixava a razão me consumir, lembrava que lá nos EUA eles tem de tudo e mais um pouco, então, me recompunha.


Ok, por partes:

Para o host dad: CD com músicas brasileiras. Mandei fazer numa loja aqui, chamada "Fábrica de Ideias". Encomendei a impressão pra capinha e a impressão direto no CD, ambas com a mesma arte da bandeira do Brasil. Vou colocar nele algumas das minhas músicas nacionais preferidas. (Valor total: R$25)

Para a host mom: colarzinho de Nossa Senhora Aparecida, já que é a nossa padroeira. Tipo esse, mas claro, comprei uma biju melhorada. (R$25). E também, essa caixinha de MDF que a minha amiga faz. Achei bonita, e tô na dúvida se dou mesmo. Comprei mais pra incentivar minha amiga. (R$12) (Valor total: R$37 - caro! rs)

Para todas as kids: 

- Cavelete de pintor da Galinha pintadinha. Muuuuito nice haha Vem os quadros e as tintas pra eles pintarem, usando o cavalete. Veio um pincel só, mas eu comprei mais dois né rs (R$42 com os pincéis). 

- Três gibis da Mônica em inglês e um almanacão de atividades, também em inglês. (Não me lembro exatamente o preço dos gibis, mas era bem barato. Comprei nesse site e super indico! Era tipo R$1,99 ou R$3,99. E o almanacão era R$10,90. Claro, mais os R$5 de frete. Então tudo, deu mais ou menos uns R$25) 

- Ah, e roubei da prateleira da minha irmã também o livro A day on the farm (R$0, êba!) 

Valor total: mais ou menos R$67. Caro também, mas esses são brinquedos pra eu chegar lá com novidade pra eles, acho que vale a pena.

Para a girl - 4y.o.: A Emília de pano *-* Simplesmente amei. Adoro ela. Se a minha kid não gostar, vou colocar de enfeite no meu quarto haha (R$15)

Para o boy - 3y.o.: gente, eu queria muito comprar um carrinho de madeira (pq ele ama!) e pintar com as cores da bandeira. Mas, eu não achei de jeito nenhum! Daíii, caminhando no mercadão de Florianópolis, vi uma senhora vendendo fantoches de jogadores brasileiros. ADOREI! Tinha de todos os times. Comprei oo brasileiro, of course. Ele faz embaixadinha, caminha, abdominal e flexão haha so funny! (R$15)

Para o baby - 1y.o: livro de sensações e para aprender palavras. As palavras estão em PT, massss, o importante são as figuras. É pra ele aprender a relacionar a imagem ao nome, e não a escrita, então, acho que no problem e eu tbm não achei nada melhor. (R$25)

Para minha LCC brasileira: cremes natura. R$0, pois, tecnicamente, não fui eu quem pagou :) Se não fosse isso, não sei o que levaria...

Para atual au pair: os planos dela mudam all the time. Não sei se compro algo ou não. Por enquanto, a resposta é não. A não ser que eu ache algo muito bom e barato, que me faça lembrar dela.

Total gastos com presentes: R$184. Eu sempre achei que gastaria pouco com isso. Mas galera, são 5 pessoas na família! E o que se compra hoje 'bom' por menos de R$20? Tarefa difícil... Quanto a escolha do que comprar, bem, eu gostei das coisas que comprei, mas, isso se fossem pra mim ne? Não sei o que eles vão achar, nem mesmo se vão dar bola. Mas comprei com muito carinho e passando calor haha.

Bom gurias, era isso! Agora, nosso próximo encontro virtual será em 2014! Como eu disse antes, que ele seja maravilhoso para todas nós! :)


Beijos carinhosos,
Duda.


PS: 8 dias!!






domingo, 15 de dezembro de 2013

Weird feeling

Boa noite, gente!

Post totalmente fora da programação rs Aliás, acredito que se continuar assim, terei alguns posts a mais, antes do meu 'last post from brazil' rs


Bem, esse fim de semana foi de algumas despedias importantes: grupo de jovens que participo na igreja e família. São duas coisas muito importantes pra mim e que me ajudaram muito a me tornar o que sou hoje, e com certeza me ajudarão em muitos momentos futuros.

Apesar das despedidas, não estou sofrendo de saudades antecipadas, nem achando que vai ser horrível ficar longe disso tudo por um ano. Claro, sentirei saudades e provavelmente haverão muitos eventos dos quais eu gostaria de estar participando, mas não poderei. Entretanto, isso faz parte do intercâmbio, aliás, da vida. Por que onde já se viu ter tudo ao mesmo tempo? Just impossible. E eu sei que tudo isso vai estar aqui quando eu voltar, então, sem drama.

PORÉM, acordei com um sentimento estranho sexta-feira, depois uma sonequinha (que resolvi tirar depois de horas caminhando para comprar presentes e artigos do 'enxoval de intercâmbio' k). Assim que abri os olhos, meu pensamento foi: "não quero sair daqui! sair pra quê?".

Enfim, levantei, segui a vida, o fim de semana. E hoje, isso - que não sei dar nome - me pegou um pouco de novo: pra que sair daqui onde tudo é tão bom? Não perfeito, mas muito bom. Claro que não estou pensando em desistir! Só estou compartilhando aqui, uma fase do pré-embarque. Conversei com minha amiga sobre isso, e ela disse que passou pela mesma coisa três dias antes do embarque. Ela acha que é a ficha caindo, e eu concordo. E quando a ficha começa a cair, tu começa a realizar o que realmente vem pela frente.

Na teoria sabemos, aliás, lemos e ouvimos tanto sobre o au pair há tanto tempo, não é? Mas quando chega a nossa vez... bem, é diferente. Contudo, acho que isso faz parte do intercâmbio e por consequência, do amadurecimento.  Sei que vai valer muito apena e que esse weird feeling vai passar, graças a Deus! hehe

Pra encerrar, vale lembrar: "If your dreams don't scare you, they aren't big enough!"

Beijos e boa semana a todas!
Duda

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

O que quero fazer nos EUA?

Hi everyone!!

Faltam 22 dias pro meu "Last post from Brazil" e realmente  a ficha não caiu ainda. Caminho pela casa, vou pro meu quarto, guardo alguma coisa e penso: "em alguns dias, não vai mais ser aqui que vou por isso." E que sensação estranha!

Bom, estou de férias e com bastante tempo pra organizar minhas coisas, apesar de estar naquela loucura de 'eventos' de fim de ano. Mas tá sendo uma época bem boa :) Hoje comprei uma webcam pra minha família,  porque eles só tem computador e ainda não tinham isso, então testamos o skype pra minha mãe ver como funciona, e foi bem legal rs (claro, tive que dar um print):


Também estou vendo presentes da host family, VTM, kit embratur, documentos e etc. Tudo caminhando bem, por enquanto rs Mas hoje, quero fazer um post que vai ser bem útil pra mim, quando eu já estiver nos EUA. Um post com a lista das coisas que quero fazer nesse ano aupairiano de 2014. 

Comecei a pensar nisso conscientemente (pq no inconsciente, fazemos isso desde antes de tomar a decisão derradeira de ser au pair) depois de responder uma perguntinha simples do application: "What would you like to accomplish during your time as an au pair?". Aqui não se refere ao "improve my english" que respondemos em outras tantas perguntas, de tantas maneiras diferentes. É sobre o que você deseja fazer mesmo, na prática (não que na prática nao "improveremos" nosso english, mas vocês entenderam rs) Bom, vi nessa pergunta uma ÓTIMA oportunidade de mostrar um pouco mais da minha personalidade pra eles, e assim, ficar mais fácil deles perceberem se gostariam da minha pessoa rs

Bom, segue a lista (obviamente, não coloquei tudo isso no app, até porque muitas ideias vieram depois)

I'd like to...
- passar um dia no Six Flags
- ir a um show da Boradway (quero muito! *--*)
- ir visitar um aquário de verdade e bem grande(sei que deve ter no Brasil, mas nunca fui rs)
- assistir a um espetáculo do Cirque du Soleil (já vieram para Porto Alegre, mas em nenhuma das duas vezes que eu soube, tive oportunidade ou dinheiro sobrando pra ir, embora ache que deva valer cada centavo)
- ir no Seaworld
- patinar no gelo (creio que em Minnesota isso vai ser easy, easy hehe)
- ir no indoor water park (já tenho companhia rs)
- fazer snowtubbing (sempre quis!!)
- fazer hiking, deve ser bem tri
- assistir o filme "The Fault in Our Stars" (que vai ser baseado no livro de John Green, "A culpa é das estrelas" e provavelmente vai ser muito lindo) em inglês e entender tudo rs
- ir a MUITOS shows, se Deus quiser! John Mayer, Maroon 5, Coldplay, Jason Mraz, Lady Antebellum, Bruno Mars, Sambô (já assisti aqui e nem sei se eles fazem show internacional, mas ia ser muito tri ir n m show deles em Minnesota, e levar a galera pra conhecer o ritmo brasileiro de ser! haha), Taylor Swift e Demi Lovato (sim! rs), Matt Maher (cantor que conheci na JMJ, com a música linda de mais "Lord I need you") e tantos quantos foram possíveis :)
-  me apaixonar pelas minhas kids! (até acho que eu já esteja, mas né, não quero que isso mude chegando lá rs)
- me dar muito bem com minha host family, apesar das diferenças e dificuldades de convivência que certamente existirão
- fazer amigos de verdade e conhecer os que ainda sçao virtuais
- conhecer muitos lugares! (tenho uma lista com eles também, mas é enorme rs)
- aprender mais sobre a Igreja Católica
- encontrar minha amiga em Los Angeles, quando ela for pra lá para participar da feira Intel ISEF 2014 (ela ganhou o credenciamento e a viagem, porque é muito inteligente rs)
- ir para o Canadá (US$75 o visto gente, tá pra mim! haha)
- visitar uma amiga na Europa (essa vai ser difícil, mas não custa tentar ne?)
- não sentir muuuita homesick rs
- gostar da comida americana (tomara! kk)

Bom gente, acho que é isso que tenho por enquanto, e não sei se efetivamente cumprirei tudo, mas, vou me esforçar :P E também, a oportunidade e a experiências são únicas, então, que vier pela frente é lucro!

E pra vocês, o que não pode ficar de fora do american dream?
...

Ah, pra encerrar, deixa eu contar uma coisa maravilhosa que me aconteceu: esses dias entrei no Extranet da CC pra pegar o email da LCC e mandar umas perguntinhas - já tava pensando em fazer isso há algum tempo. Vi que a minha mudou, fui checar, e ela mora há 7min de carro da minha casa, enquanto que a outra, morava há 20min. Até ai, ok. Ponto positivo. Mandei o email, recebi  a resposta, em inglês. Vou lendo, lendo, lendo e eis que: minha LCC é BRASILERA e... EX-AU PAIR haha fala sério! É ou não é pra ter medo de tanta notícia boa nessa minha fase pré-embarque? :\

Beijos a todas!
Duda

EDITADO:
Também quero...
- conhecer Hogwarts *-*
- visitar outras au pairs nos seus respectivos estados (mas pra isso, elas vão ter que querer me receber também né rs)
...

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Happy belated Thanksgiving!

Olá meu povo :)

Eu sei que o Thanksgiving day já passou, mas eu não queria deixar em branco aqui no blog, so antes tarde do que nunca, certo? 

Pra quem ainda não sabe, o Thanksgiving é o dia de ação de graças, e é comemorado sempre na 4ª quinta-feira do mês de novembro. E eu gostaria de compartilhar com vocês, tudo de bom que o au pair (já) me trouxe e que eu agradeço a Deus!

First of all: agradeço pelas amizades! Sim, as amizades. Antigamente eu lia sobre isso e achava meio que forçação de barra, porque era muita melação (rs) nesse mundo aupairiano. Mas como esse ano comecei a ser membra ativa desse mundo de au pair, e não mais "apenas" alguém que acompanhava tudo anonimamente e e fora, vi como é possível fazer amizades virtuais aupairárias, sim!

Como a Paula escreveu no blog dela essa semana, temos nossos 'xodós' e torço muito por todos, para que possamos nos encontrar em terrinhas americanas e que realizemos nossos sonhos da melhor maneira possível! Resumindo, se nada der certo, essa coisa toda já valeu apena pelas amizades que criei e que ainda vou criar, com certeza *-*

Foto com a Cris, uma das amigas aupairianas, que com certeza estará pra sempre comigo!


Também acho que posso agradecer pela minha host family hehe Continuo falando com a host por email, ela vai me atualizado e eu a ela. Mas semana passada recebi o email mais lindo de todos! (gostei mais até do que o do match rs) e minha vontade era colar ele aqui para vocês mesmas lerem linha por linha, porém, como não foi eu quem escreveu, acho que não devo. Em resumo ela disse que eles estão cada vez mais ansiosos e felizes pela minha chegada, e que ela está fazendo um cachecol e um gorro pra mim, na minha cor favorita, pois não quer que eu passe frio quando chegar lá hehe E mais, ela está me mandando tudo isso pelo correio, pra eu já poder usá-los no treinamento! Fofa né? Eu achei. hehe

Além disso, agradeço muito também pela família e amigos que tenho, aqui na vida 'real' mesmo hehe Sei que isso eu já tinha antes mesmo do au pair, mas ah, 2013 foi um ano  TÃO maravilhoso, proveitoso  e inesquecível, que as pessoas que fizeram parte disso, merecem um parágrafo desse meu post-agradecimento.

Por fim, quero compartilhar com vocês as fotos da minha festa surpresa de despedida. Sim, eu tive uma :)
Minha irmã e duas amigas minha organizaram tudo, para sábado passado. Cheguei lá, e tava uma galera hehe foi bem legal! :D Adorei a inciativa delas, e o cardápio também (salsipão com maionese verde hehe) Não consegui me sentir em uma festa de despedida, porque minha ficha ainda não caiu gente! Tô preocupada, quando será que cai? hehe Me senti mesmo numa festa de aniversário atrasada hehe Mas amei receber um 'presente' desses e me sentir tão querida por alguns instantes rs Só fiquei chateada de depois de ter chegado em casa, ter percebido que faltou tirar foto com algumas pessoas rs (todos sabem que detesto camera, mas ah, preciso de fotos pro meu mural nos USA ne?)

amigos da Igreja
Família
Irmãzinha preferida hehe








 Presentinhos que ganhei (detalhe pro guia do Canadá né? Adorei tudo!!)
E aqui embaixo, cartazes que as gurias fizeram pra enfeitar o 'salão' onde foi a festa. Estão guardadinhos aqui em casa, e estou considerando  a hipótese de levar na mala pra pendurar no meu quarto americano hehe <3 p="">




 Beijos,
Duda.

PS: #34dias

domingo, 24 de novembro de 2013

Just an update

Hey girls!!

Não abandonei o blog não, viu? rs 
Tenho várias ideias de posts, mas como escrevo demais, prefiro dar um tempo entre um assunto e outro haha (até minha mãe reclamou que falo demais, mas fazer o que se o blog é o escape?)

Bom, hoje não vou falar de nenhum dos assuntos que tenho em mente, vou só deixar registrada algumas atualizações aqui. First of all: sentimento do qual foi falado no último post passou. Eu sabia que isso ía acontecer, porque é assim mesmo. Provavelmente em alguns momentos ele vai me pegar de novo, mas acho que é isso que dá graça a tudo. Realmente minha host family passou por um rematch, e a au pair atual é a primeira, pois as outras duas foram nannies. Exatamente como o "RA" comentou no post anterior, a minha família não seria a melhor escolha pra ela, porque cada uma tem seu estilo. Então, continuo rezando pra que seja feita a vontade de Deus e que eu tenha força pra superar o que vem pela frente.

Nós últimos dias aí, chegaram duas coisas muito legais: passaporte (faz teeempo, até já postei depois disso, mas não contei rs) e o kit embarque (que chegou bem no dia do meu b-day [: ). Sobre o kit, ainda não consegui ler tudo que veio, porque semana passada foi mega corrida, e tem muito papel. Preciso fazer com calma e atenção hehe Mas chegou algo tão lindinho pra pendurar na mala. Rosa e com o escrito "America Here I Come". Adorei :)

Falando em mala comprei uma grande(cara: R$260,00) e uma carry-on (no preço: R$50,00). Pretendo embarcar com isso e mais o case do notebook, vamos ver se consigo mas acredito que sim hehe

E agora, a novidade mais legal de todas! Uma amiga minha, do facebook, que mora lá em Aparecida, SP (aliás, 90% das aspirantes são paulistas heim haha) teve match pra embarcar JUNTO COMIGO. Conversamos há meses, e um dia falei brincando que ela não precisava de pressa pro match (já que ela tava available pra embarcar em 2013 ainda) porque ela iria embarcar comigo hehe Fiquei mega feliz quando soube que minha profecia deu certo haha (mesma coisa aconteceu com aquela menina que eu também conversava há muito tempo, gosto demais, e que teve match logo em seguida ao meu, para Minnesota *-* Eu disse na brincadeira também que ainda íamos morar pertinho, e não é que funcionou?) Por isso digo: todas vocês terão um ano aupairístico de sucesso, podem acreditar! Acham que é pouco? Anteontem, uma menina com quem converso desde o meu match porque somos da mesma agencia, aqui do Sul, também teve match para embarcar em 06/01, ou seja, mais uma 'conhecida' para se juntar ao treinamento. Só pode ser destino, sério! To muito animada com isso tudo hehe

A última notícia é boa, mas não é. A parte boa é que a partir da próxima sexta estou de férias. Preparativos pré-embarque, festivas de final de ano, Santa Catarina, amigos e família me esperam. A parte ruim é que sexta passada foi meu último dia com as kids :( vou ter tanta saudades delas, do carinho e da espontaneidade de cada uma. Mas é a vida: "Some people come into our lives and quickly go. Some stay for a while, leave footprints on our hearts, and we are never, ever the same." Usei essa frase na minha carta do app para a host family, pois acho que exemplifica o que quero viver nos EUA, com eles. Mas tenho certeza de que até agora, ela não se aplica melhor a ninguem mais, do que às minhas crianças. (L)

Bom, apesar disso, os últimos dias com eles foram ótimos. Me senti muito querida pela maioria das profs, e pelas crianças. No dia 20, meu bday, chamaram todas as turminhas pro refeitorio, e eu sem ter ideia do porque (mas não tinha desconfiado de nada, até que...). Aí sentei com a minha turminha, e a Luisa, de outra salinha, veio me perguntar se eu ía embora (detalhe, ela tem 2 anos) e aquilo ali me deixou com uma pulguinha rs. Aí a coordenadora (queridaaa!) começou a falar e no fim das contas era por minha causa mesmo *-* Era pra me dar um 'tchau' oficial, mesmo que não fosse meu ultimo dia. O engraçado é que eles nao sabiam do meu aniversario, e acabaram fazendo tudo junto hehe Cantaram parabéns, e me deram essa camiseta que simplesmente AMEI:


A melhor parte foi: todos abraçando a Duda juntos! Own, sério. Que sonho aquilo! :)

Bom gente, acho que por hoje era isso. Só contar umas novidadezinhas mesmo, e dizer que logo volto. Ah, também quero dizer que fiquei muito feliz com os comentários do último post: tanto com as carinhas novas, quanto com as mais conhecidas.

Enfim, see you soon!

Beijos,
Duda.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Da série sobre sentimento pré-embarque: quando o medo bate à porta

Oi, povo!

Eu não ía postar nada hoje, mas mudei de ideia porque aconteceu uma coisa de ontem pra cá, e não sei, talvez escrever me ajude... talvez vocês me ajudem rs Como o título já disse, hoje estou definitivamente com medo. Como muitas de vocês, acompanho o mundo aupairiano há muito tempo, já li e vi várias histórias, e me encantei por todas, com todas a gente aprende algo. Não me lembro de em nenhum momento ter sentido medo ou ter pensado em desistir (fora aquele pensamento, ah, seu eu ficasse eu poderia fazer isso, ter aquilo, etc. mas que sempre durou menos de 2min).

Não se assustem, hoje não pensei em desistir não! haha Mas bem, nesse tempo todo nunca tive medo, sempre achei que toda e qualquer experiência lá fora acrescenta muito pra gente como pessoa. E sim, continuo achando isso. Mas depois do visto, a coisa se torna real! Inacreditável, mas real. Desde o visto então, tô com aquele friozinho na barriga. Friozinho bom, lógico! Bom e normal. 

Continuo falando com a host family, e assunto não falta. Eu sou muito curiosa e gosto de falar, então, principalmente em se tratando da minha futura 'família', temos muito sobre o que falar, para ir aumentando a intimidade entre a gente. Até ai, ok. Massss, semana passada eu, não sei porque cargas d'água, percebi que eu NÃO perguntei para a host family, nem para a current au pair, quantas au pairs eles tiveram até hoje. Gente, acho que quando percebi isso me senti mais burra do que quando percebi que esqueci o passaporte, simplesmente porque essa pergunta é essencial e eu sempre pensei que ela precisava ser feita! No arquivo que tenho com as coisas importantes do au pair salvas por ordem cronológica (preenchendo app, online, entrevistas, visto, malas, pré-embarque e 'living the american dream'), eu tenho uma anotação bem específica:

"- Descobrir quantas aupairs a família tinha, e verificar se a agência pode te passar esse dado ("Ciclana de tal" não sabia que sua HF tinha tido 7 aupairs em dois anos)." não vou citar o nome da ciclara, mas a história é real!

Até agora não entendi como esqueci de perguntar isso. Sei que li esse item enquanto estava conversando com eles, porque abri o arquivo várias vezes, mas nao anotei na folhinha de perguntas nos skypes, e também não mandei por email :(

(pausa pra eu checar uma coisa no application da família...)

Acabei de descobri porque não fiz a pergunta!! ponto positivo, não fui tão burra assim, só não lembrava que: na parte em que a família responde se já teve uma live-in childcare before, eles respondem que sim, e que o contrato com a primeira au pair acaba no fim do ano. Gente, será que eles usaram o mesmo application da outra vez que procuravam au pair, ou eles mentiram???

Caramba, preciso verificar isso o quanto antes!!

Tá, continuando da parte em que não lembro quantas au pairs a HF teve. Quando percebi isso, mandei mensagem off pra atual au pair perguntando, pois já que a mais velha tem 4 anos, ela pode não ter sido a primeira au pair e etc. Ok, isso foi quarta passada. Aí os dias passaram, e ontem li sobre uma current au pair respondendo as dúvidas da nova, e me lembrei da mensagem e que eu não tinha recebido nenhuma resposta. Fui verificar e ela não tinha mesmo respondido, apesar de ter visualizado (não acredito que isso seja sinal de nada, porque ela ja me disse que prefere responder por email rs). Enfim, nessa hora, ontem, ela tava online. Aí perguntei de novo, e ela me disse que é a 4ª au pair da família, só não deixou claro se todas foram por agencia, porque ela disse que as duas primeiras eram americanas (não sei se latinas, ou dos EUA mesmo) e que antes dela, teve uma que também era da CC mas entrou em rematch na 6ª semana! R-E-M-A-T-C-H. 

Ou seja, serei a 5ª au pair da host family, sendo que a menina mais velha tem 4 anos, e que uma das 4 aupairs anteriores entrou em rematch. Por que? Segundo a au pair atual, ela pediu porque a casa era muito pequena. E, ainda segundo a atual au pair, isso até pode ser um motivo razoável, porque tu não tá em casa, e as vezes deseja ter um pouco mais de privacidade do que tem. But, até agora não sei o que pensar sobre isso. Logo que consegui o endereço da família, fui checar a casa no google maps, e ela é maior que a minha rs Adorei o estilo e justamente o fato de não ser big house como muitas que vejo por blogs aí, foi o que me deixou mais 'tranquila'. Tem uma música que diz "quanto menor a casinha, aiai, mais sincero o bom dia!" e eu concordo muito com o que isso quer dizer, então, a casa menor do que o padrão de host families por ai, me deixou feliz também.

Quando li isso na conversa com a atual au pair (australiana), lembrei que no email em que a host pede o match, ela diz que quer que eu esteja bem segura e tranquila com relação a minha resposta, e cita isso de que a casa não é enorme, e que vou conviver bastante com eles. Cita também que eles ensinam as kids que nós precisamos de privacidade, mas que mesmo assim, no meu tempo off eu posso ouvir as crianças. Quando li isso, adorei, porque entre basement e 2nd floor, eu sempre achei melhor a segunda opção, pois deixei claríssimo, sério, com todas as letras, no meu perfil, que eu queria fazer parte da família, então isso foi mais um fator que me fez acreditar que eles eram a família certa pra mim! e quanto ao barulho, bem, moro em um bairro bem simples, e direto ouço o barulho dos vizinhos, e isso é serio! rs então, seria normal hahaha

E é isso, a atual au pair, na época do namoro com a family (não que já tenhamos passado dessa fase, porque acho que o namoro continua por um bom tempo), confirmou tudo o que havia de bom no application, dizendo que elas eram uma boa host family, e que minha experiência seria amazing. E me falou das coisas que achava ruins (nada muito relevante: apenas um caderno onde eles anotam o schedule. Ela preferia que fosse apenas verbal. vai entender! rs). E quando perguntei de algum momento ruim entre ela a host family, ela citou um ocorrido com o carro. Porque a  aupair usa o carro da host no seu tempo off, e a familia fica com o carro do hosto. O combinado é avisar 'estou pegando o carro tal dia', mas naquela vez, ouve uma falha de comunicação entre as partes, e deu algum bréti. Ela não especificou se eles xingaram ela, ou se eles discutiram, mas disse que já estava superado, porque eles conversaram sobre o assunto e se resolveram. Não achei o fim do mundo, porque essa era pra ser a coisa mais 'chata' pela qual ela passou com a família, então, ta tranquilo ne? Desentendimentos assim são normais até na nossa família brasileira, e se conversaram e resolveram, é sinal de que o que eles disseram no application sobre sempre conversar sobre possíveis problemas, é verdade.

Enfim, gente. Esse fato de não saber a história das au pairs anteriores me deixou encucada. Desde que li o application dessa família, fiquei apaixonada. Como eu já disse, apenas o local e as horas que vou fazer em alguns finais de semana me deixaram uma pulguinha. Mas resolvi isso em um dos skypes. Não sei se vocês lembram, mas em um dos posts eu disse que eu tinha assuntos pra escrever até meados de outubro, porque achava que não teria nada novo sobre família pra contar... um dos assuntos era "the perfect host family". Eu ia citar o que esperava de uma família, apesar de saber que perfeição não existe. Mas essa família parece é  boa parte do que eu esperava, é praticamente tudo, aparentemente.

E se eu chegar lá, e não for o que eu achava que era? Será que vou dar conta da 'desilusão amorosa?' Não tenho medo do rematch. 90% das au pairs que li que entraram em rematch, tiveram ótimas segundas famílias, e foram felizes. Acho que devem ser duas semanas complicadas de espera, mas não impossíveis de ser superadas. De um tempo pra cá, tenho adotado uma atitude de olhar pro lado quando eu achar que tenho algum problema, e ver que a todo momento pessoas estão passando por dificuldades muito maiores do que a que eu acho que estou sofrendo. Conversando sobre outra coisa com uma amiga esses dias, ela deu um nome para o que eu venho tentando fazer, mesmo sem saber: redimensionar o problema. Acho que um rematch pode ser redimensionado, porque existem coisas bem piores! Na pior das hipóteses, depois de um rematch tu volta pro povo acolhedor, pra comida gostosa e pro carinho da família do Brasil! Ou seja, NÃO é o fim do mundo e apesar do sofrimento, é uma experiência com que se aprende muito. 

Então, do que estou com medo? Não sei, talvez de todo o conjunto. Talvez essa tenha sido a gota para despertar em mim um sentimento que acredito que pegue toda futura au pair, pelo menos em algum momento. 

Apesar de saber que isso vai passar, e que não importa o que aconteça comigo, e vou superar e crescer muito com tudo, no fundo, é claro que quero que essa família seja o que tem me mostrado ser. No fundo, espero que a host me responda sobre as au pairs antigas dizendo que a relação era muito boa e que a que entrou em rematch, foi realmente porque não se adequou à casa e ao estilo da vida. 

Beijos,
Duda.

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Abrindo o jogo

Boa tarde, pessoal!

Pois é, depois da alegria de poder espalhar aos quatro cantos "I GOT MY VISA", no meu caso, chegou a hora de "abrir o jogo" pra galera rs. Não sei como é pra vocês, mas dos meus planos de intercambiar pelos EUA pouquíssimas pessoas sabiam. Pessoas que sabiam há muito tempo então, vish, menos ainda. E não é por questão de olho grande, inveja e afins, era apenas uma precaução de sofrimento.

Precaução de sofrimento? Exatamente. Meu maior medo era contar pra todo mundo o que eu queria e pra quando eu queria, e depois ter que passar um tempão respondendo perguntas do tipo "quando tu vai?" "pra onde tu vai?" e etc, sendo que NÃO SABEMOS DISSO, e continuamos sem saber por um bom tempo rs. Parece que é difícil pras pessoas entenderem como funciona o processo do au pair, e eu acho que a gente sozinha enfrentando nossas próprias pressões de preencher application, estar online e conversar com as famílias, já o suficiente. Não precisamos de mais um monte de curiosos (não os julgo, porque se eu soubesse de algum amigo/parente indo viajar, também ia querer saber de tudo rs) aumentando o nível dessa pressão. Além disso, mesmo que as pessoas entendam como o processo funciona, pode ser que ele não dê certo. E daí, tu ter que assimilar isso pra ti e ainda por cima ter que explicar pras pessoas, não deve ser muito legal. Cada vez que tu tiver que contar pra alguém que precisou desistir ou adiar teus planos, deve ser um pouquinho dolorido (sei que pra mim seria porque isso é algo que quero muito, e há muito tempo e se algo acontecesse diferente do planejado, e eu ia querer que fosse um sentimento só meu).

Então por isso tudo, resolvi entender que às vezes, o segredo é sim a alma do negócio haha Claro que depois do match mais pessoas já ficaram sabendo, afinal, quando tu menos espera, surge uma situação em que tu precisa explicar o que tá pensando em fazer daqui pra frente (ainda mais quando tu tá parada, entre o ensino médio e uma possível faculdade rs). Mesmo assim, eu meio que deixava um aviso 'ah, mas esse assunto não tá permitido, porque ainda preciso do visto e blablabla'. 

Porém, entretanto, todavia... isso mudou! Chegou a hora de abrir o jogo e compartilhar a alegria hahaha 

Brincadeirinha! Claro que não saí por aí gritando num megafone haha
Bom, como eu já tinha contado antes, contei para os tios, primos e afins logo depois do match porque eu não queria chegar já com tudo pronto pra eles, eu senti que se fosse assim, eles teriam sido excluídos de alguma maneira, então, resolvi abrir o jogo. Mas a parte mais difícil deixei pra encarar depois do visto. Porque na minha cabeça, não tinha pra que se desgastar sem ter o visto em mãos (leia-se, sem ter certeza 100% do embarque). E a parte mais difícil eram: meus avós.

Eu sabia que seria muito difícil, porque dentro da 'grande família', tenho dois casos de primos que foram pra fora do país. Uma foi pra China ou Japão (nao sei, sinceramente haha) porque conheceu um cara pela internet. Isso mesmo, foi pro outro lado do mundo, SEM nenhum segurança, porque se apaixonou. Lá ela engravidou e teve alguns problemas com o direito de ir e vir... ou seja, bad example. E outro foi pra Irlanda estudar, sem agência, mas com moradia pros primeiros dias, até que achasse um trabalho e um emprego. Ou seja, a little better example. Entretanto, na época que esse meu primo foi pra Europa, meu vô não conseguia entender o porquê de abrir mão de um bom emprego pra estudar fora, se aqui também temos boas faculdades (claro que não viajamos apenas pra isso, mas temos que considerar a idade e a época que nossos avós viveram né, claro que alguns pensamentos serão bem diferentes).

Enfim, mesmo assim, eu não podia deixar de ir contar, certo? (ah, pausa pra explicar que me refiro aos avós paternos. Da parte da mãe, tenho só a avó que já tinha ouvido falar disso várias vezes, mas como ela já não tá tão boa da cabeça, ela apenas da uma risadinha e segue a vida #fofa). 

Cheguei na casa meu vô, tomamos um cafézão (aqui dificilmente jantamos, normalmente tomamos café mesmo) e depois, foi a hora de contar meus planos rs Levei o notebook pra mostrar fotos das crianças, da família toda e do lugar pra onde estou indo. Liguei o bendito e comecei a falar... Acontece que eu avô soube que fui pra SP, e achou que eu tinha ido ver alguma faculdade por lá (aliás, ele passou o ano me perguntando de faculdade, emprego, e sobre construir uma garagem maior la em casa pro meu carro hahaha ele é muito fofo! s2)

Tá, daí comecei a falar e ele logo me cortou, dizendo que já sabia que eu ía querer estudar em SP e tal. Aí eu disse 'na verdade, to indo pra fora do país'. (essa hora foi MUITO engraçada). Minha vó que tava lavando a louça, parou tudo e disso 'mas nem pensa! Luís...!!' (Leiam isso com uma entonação bem alemã hahaha) Luís é o meu pai, filho dela né rs Aí, tá. Expliquei como tudo funcionava, falei que era uma família católica, o que deixou eles bem mais tranquilos (não que isso seja garantia de nada né, mas cabeça de avô...), minha vó perguntou se eu iria comer na mesma mesa que eles (achei esse questionamento bem engraçado também, porque eu não esperava uma pergunta dessas). E depois, mostrei pra eles como eu tinha feito pra falar com a familia: liguei a webcam e meus avós se viram no computador. Foi MUITO divertida a hora que eles se deram conta que eram eles ali hahahaha sério, coisa mais fofa - até captei uma foto dessa hora.

No final? Meu vô tava super orgulhoso, e minha vó, só disse pra eu não voltar de dois (ou seja, grávida hahaha). Sério, eu não esperava isso. Achei que meu vô ía me passar o sermão, e que a vó ía me convecer a desisitir. Na verdade, a vó ficou um pouco receosa mesmo, mas meu vô super apoio e ficou to inchado de orgulho, coisa mais lindinha hehe Agora é me programar pra saudade que certamente vou sentir ne?

E é isso. Agora as pessoas vem todas curiosas perguntar como vai ser, quando vai ser e desejar boa viagem/afins. É até legal essa parte, porque a gente se sente um pouco querido e com um orgulho bobo do que está fazendo, apesar de  o nervosismo as vezes também dar o ar da graça... mas faz parte, montanha-russa, lembram?

Com a host family continuo conversando, me encantando, e torcendo pra que as coisas aconteçam da melhor maneira possível.

Quanto ao meu processo... essa semana vou reitrar a PID, o PPD test já fiz semana passada (reatro fraco, graças a Deus!) e o formulário médico tá quase pronto, só preciso tomar algumas vacinas atrasadas #moleza hehe

Enfim, é isso. Volto logo com posts mais interessantes que esse, se Deus quiser! haha

Beijos carinhosos,
Duda.

domingo, 27 de outubro de 2013

A saga do passaporte esquecido - por minha irmã

Olá, gente! Como vão?
Por aqui tudo ótimo, os últimos dias tem sindo maravilhosos. Não sei se porque eu tô feliz, ou se porque eles são maravilhosos por si só mesmo hehe

Bom, lembram que no último post eu disse que a minha irmã queria escrever o próximo post do blog, contando a versão dela do passaporte esquecido? Então, ela escreveu mesmo! hehe a boa notícia é que ela não fala tanto quanto eu, então o texto não ficou enorme. rs

Enfim, segue o texto.

"OOOOOOI

Eu estava conversando com a minha amiga em casa quando recebi um sms todo errado do meu pai  (ele tava no escuro, e sem oculos! haha/duda) falando que a  duda tinha esquecido o passaporte dela em casa, e pedindo que eu e minha mãe fôssemos na rodoviária da cidade vizinha (detalhe, nenhuma de nós sabe dirigir), para acharmos um ônibus que chegasse em SP até segunda de noite. 
Eu achei que ele tava brincando, então resolvi ligar para me certificar que era uma brincadeira, e no final descobri que era verdade! Então ele deu a ideia de falar primeiro com um amigo da família que trabalha em um transportadora, para que levássemos de caminhão para SP. Chegando na casa desse amigo, conseguimos um caminhão que sairia daqui em meia hora e chagaria em SP de tarde. Quando ligo para o meu pai ele diz que não ia dar certo por que a duda precisava do passaporte para domingo de tarde (detalhe, era quase 18h de um sábado).  
Resolvemos mandar de avião então, mas como já dito anteriormente, não sabíamos dirigir, então liguei pro dindo da Eduarda e pedi pra ele nos levar. Chegando no aeroporto, descobrimos que devíamos ir no setor de cargas que ficava a uns 2,5 km do aeroporto em si, (na hora parecia que a gente nunca conseguia encurtar a distância entre o aeroporto e o setor de cargas por causa do nervosismo). Chegamos no bendito setor de cargas e descobrimos que NENHUMA empresa aérea transporta esse tipo de documento por causa do risco de extravio, show :D 
Fomos DE NOVO para o aeroporto pensando em como mandaríamos o tal do passaporte, ai decidimos procurar alguma pessoa de aparência “confiável” para mandarmos o passaporte até SP por ela, ou então mandaríamos minha mãe para  só para levar o passaporte. 
Ao chegarmos lá encontramos uma mulher que estava se despedindo da família, então eu me intrometi e perguntei aonde ela ia, e descobri que ela iria para Paulo, ai eu comecei a chorar (#emotiva) e meu tio explicou a situação e ela aceitou na hora levar o passaporte com ela para entregar para o meu pai chegando lá."


Então deu tudo certo! E agora, meu agradecimento oficial à minha família, por toda a correria que fizeram por mim. Minha mãe disse que pra se livrarem de mim vale tudo, mas eu sei que não foi isso haha (L)

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

I GOT MY VISA!

Um passaporte esquecido, uma família solidária e um cônsul simpático depois... I GOT IT!!


Pois é, gente, UM PASSAPORTE ESQUECIDO! Mas vamos começar do começo, para que a história faça algum sentido. Primeira coisa: viajei de avião. Minha mãe encontrou passagens “mais baratas” e meu pai resolveu comprá-las. Logo me dei conta de que essas passagens eram mais baratas porque eram até o aeroporto de Guarulhos (há uns 35/40km de SP capital), e não para Congonhas (dentro da capital), como eu havia orçado. Porém, de Guarulhos para SP tem várias opções de transporte, e mesmo tendo que pagá-las, o custo sai mais barato de que a passagem para Congonhas. Ou seja, se você quer vir de avião e terá tempo hábil entre a sua chegada e o horário do CASV, vale a pena desembarcar em Guarulhos!

Mesmo indo de avião, meu pai achou melhor comprar passagens para o sábado. Minha agenda no CASV era para domingo (13/10) a tarde, então se tivéssemos algum problema com atraso de voo, podíamos não chegar a tempo em São Paulo.

LOCALIZAÇÃO
Acabamos fincando em um hotel em uma esquina com a Av. Paulista. Segundo o Google, o hotel era há uns 2km do CASV e 10km do Consulado (o que para as dimensões de SP, são distâncias pequenas) Não sei que conta o google faz, mas definitivamente, não era tão perto assim rs Eu recomendo o hotel, porque o preço até que sai em conta e tem muitas coisas legais para se fazer por perto, sem contar no ponto de ônibus e na estação de metro que têm a menos de 5min do hotel.

O PASSAPORTE ESQUECIDO!
Depois que chegamos no hotel no sábado, almoçamos e fomos caminhar na Paulista. Aí passamos em frente ao teatro do SESI, e vimos que tinha um musical em cartaz, dirigido pelo Miguel Falabella. Era de graça, e a sessão estava pra começar. Resolvemos entrar, e foi bem na hora do terceiro sinal (aquele que marca o início da peça). O teatro era MARAVILHOSO, acho que um dos mais legais que eu já assisti – A Madrinha Embriagada. Mas lá pelas tantas, me vem a mente “o passaporte!!”. Meu Deus, COMO EU PUDE ESQUECER O PASSAPORTE?? Eu passei a semana inteira enchendo 'as pinica' de todo mundo aqui em casa, pra não esquecermos de nada que a agência tinha recomendado que eu levasse. Ai chego lá, e estou sem passaporte?
Minha vontade era sair correndo de dentro do teatro, e chorar a vida! Como assim eu tinha chegado até ali, e iria perder minha agenda por causa do meu esquecimento? Aí pensei “não, te controla. Tem que ter um jeito”. Comentei com meu pai, e ele só disse ‘aaah’ rs Continuamos assistindo o musical, mas claro, eu com a cabeça totalmente ligada nisso, e o meu pai, vim a descobrir depois, na mesma situação.

Quando o teatro terminou, saímos e meu pai me olhou assim, com uma carinha de quem pensava “pobre criança”, e não teve jeito, algumas lagrimas rolaram. Aí ele me disse para manter a calma, porque ele já tinha mandado mensagem pra minha irmã ver com nosso vizinho, que é dono de uma transportadora, se teria algum caminhão saindo rumo a SP naquele dia. E em 30min, estava saindo um. Aí meu pai, bem tranquilo “amanhã de noite (seria domingo) chega aqui”. E eu “como assim? Preciso dele para amanha a tarde!” Expliquei pro meu pai a ideia que eu tinha tido ainda dentro do teatro: pedir para meu dindo levar minha irmã até o aeroporto de Porto Alegre, e lá eles procurarem alguém que estivesse vindo para Congonhas e pudesse me fazer o IMENSO favor de trazer o passaporte. Meu pai achou a ideia boa, aí fizemos as ligações necessárias, e lá se foram minha mãe, irmã, primo, dindo e amiga da minha irmã (que estava passando o fim de semana aqui em casa) para o aeroporto, em busca de ajuda.
Primeiro eles foram até os guichês das companhias aéreas, e  nenhuma podia ajudar. Diz a minha mãe que alguns até respondiam rindo da cara deles, e eles naquele desespero né haha Eu tava me sentindo muito mal com isso, de deixar minha família aqui nervosa. Porque se fosse o contrário, eu também estaria muito preocupada em conseguir resolver o problema, mas enfim, eu não tinha outra escolha a não ser contar com a ajuda deles.

Depois eles foram até uma empresa de despache, mas passaporte é o tipo da coisa pela qual eles não se responsabilizam ê, sorte! Por fim, não restou outra alternativa, a não ser atacar os passageiros mesmo. Minha irmã que tomava a frente(ela disse que o próximo post do blog ela que quer escrever haha) e depois de algumas tentativas, eles encontraram uma família que estava indo para os EUA, mas faria conexão em Guarulhos. Nós tínhamos pensado em pedir para alguém que fosse até Congonhas (porque era bem mais perto), mas eles acharam essa família de confiança e claro que resolveram aceitar a boa vontade deles né!

Aí minha irmã ligou para o meu pai, chorando, contando que tinha conseguido. Dali pro meu pai começar a chorar foi um pulo, e claro, pra mim também! Haha Segundo meu dindo, nós somos uma família muito emotiva ! RS

Bom, mas durante todo esse processo, eu e meu pai íamos nos comunicando com o povo que estava aqui por celular. Aí eu e ele fomos jantar num shopping perto do hotel, e bem nessa hora tínhamos recebido a informação de que nenhuma companhia aérea se responsabilizaria pelo passaporte, então eu tava um pouco mais triste.  Mas aí meu pai resolveu parar num quiosque do shopping que vendia ímãs divertidos. Eu nem quis olhar, fiquei esperando ele. Vi que ele comprou um ímã, veio até mim e disse “esse é pra ti”. Olhei o presentinho e estava escrito “Keep calm and confie em Deus!”.  Achei tão legal da parte dele. Aliás, tudo que todos estavam fazendo por mim, por um lado me deixava bem feliz. Pude contar com todos que precisei! E isso é o que se chama família, não é?

Entããão, passado tudo isso, meu pai foi sozinho ate Guarulhos (pra não pagarmos passagem pra dois), encontrou a família, agradeceu muito e chegou de volta ao hotel perto da meia noite, com o bendito em mãos! *-*

CASV
No domingo, era dia do CASV. De manhã fomos à missa(tinha uma igreja linda, atravessando a rua do hotel, e caminhando umas duas quadras) e quando saímos de lá, vimos muita gente andando de bicicleta na ciclovia da Paulista. Pedimos informação e era de graça, bastava entregar o RG e tu tinha direito a uma hora de ‘lazer’. Claro que quisemos né? O dia tava lindo (o que foi mais um presente de Deus, porque todos os dias falavam no jornal que ía dar temporal e muito vento, mas nós só pegamos uma garoazinha bem de leve, na segunda de noite, se não me engano). Depois disso tudo, almoçamos e fomos ao CASV. Meu horário era as 15h30, mas tinha bem pouca gente, e eu cheguei la pocuo depois das 14h. Como ía demorar pra chegar o meu horário, meu pai foi procurar um ponto de ônibus próximo, pois nossa ideia era ir de taxi e voltar de bus. Nesse meio tempo, a mulherzinha veio pegar os documentos, eu disse que meu horário era tal, e ela disse que eu já podia entrar sem problemas. Beleza! Passei na revista e a mulher viu a câmera dentro da minha mochila (levei junto porque íamos no Museu do Ipiranga depois, que é lindo demais e eu queria levar meu pai, já que ele é formado em história. Só que eu não lembrava que no CASV também não pode entrar com câmera. Celular desligado até vai, mas câmera não.)

Eu não podia entrar por causa disso. Adivinhem o que eu fiz? Usei a cabeça e aluguei um porta-volumes? Não!! Kkk Na ansiedade de entrar, pedi para uma mulher que tava esperando o filho do lado de fora, segurar minha mochila. Ela topou e eu entrei. DEPOIS de ter entrado é que percebi que tinha deixado minha mochila com uma ESTRANHA, sendo que nela estava a minha carteira, com R$250 e mais a câmera! Que não é nenhuma profissional, mas comprei no ano passado e gosto muito dela rs Enfim, a nova burrada já tava feita, agora não adiantava, só quando eu saísse ia descobrir se estava tudo no seu devido lugar kk. Detalhe: adivinhem o que aconteceu com o guri que estava atrás de mim para entrar no CASV? ELE ESQUECEU O PASSAPORTE! Sério, me deu muita pena dele. Aí agradeci por ter pelo menos me lembrado dele em tempo de consertar o erro.

Bom, dentro do CASV é aquilo que todo mundo fala, rápido e fácil. Tirar fotos, digitais, e vir embora. Quando saí de lá, minha mochila estava bonitinha, do mesmo jeito que deixei. Agradeci muito a mulher e ela foi bem simpática. ;)

SEGUNDA, O DIA OFF
Na segunda fui até o escritório da CC (LINDO!!), peguei meu kit visto, que não vem nada demais, mas papéis bem importantes. Conversei um pouco com a Carol, meu pai fez umas perguntinhas básicas sobre o seguro do programa e depois, fomos ao Ibirapuera que é super perto da CC, tu vai caminhando e chega rapidinho. Aquilo é lindo e enorme,  tem MUITA coisa lá dentro, mas claro, em segundas-feiras essas atrações normalmente não abrem rs Enfim, eu e meu pai alugamos duas bicicletas, e ficamos por lá andando, até a hora do almoço. De tarde fomos no shopping que tem ali perto, matamos o tempo, tomamos buffet de sorvete e fim, fomos pra casa descansar e ficar nervosa para a entrevista.

O DIA V
Eu estava ansiosíssima por esse dia, mas desde que eu havia marcado, não sei porque, eu tava com um sentimento de que o visto ia ser negado. Claro que eu tentava pensar positivo, mas às vezes era mais forte do que eu. Quando me dei conta do passaporte esquecido então, aí sim né, “eu sabia que ia dar algo errado” rs. Só que na segunda de noite, quando fui dormir, também não sei porque, mas esse pensamento mudou. Comecei a mentalizar todas as pessoas que me disseram que esse visto já era meu, inclusive vocês que comentaram no último post (obrigada!), e não foram poucas! Daí começou a nascer uma ponta de esperança sincera e natural dentro de mim.

Cheguei lá uma hora antes do meu horário, e é bem como dizem: não precisa! Como eu precisava ir de ônibus, e tenho pavor do que ouço do trânsito de SP, achei melhor não arriscar e sair cedo. Só que as filas são organizados por horário marcado, então não adianta chegar muito antes, porque a tua fila já ta definida.

O lugar é bem diferente do que pensei, e é bem chinelento rs Mas pelo menos é organizado. Depois da fila inicial vamos pra fila da revista, e por fim, ficamos todos juntos esperando chamarem nosso nome. Não existe uma ordem lógica pra nós, mas pra eles com certeza deve ter. Tinham uns 20 guichês de entrevista funcionando, e é tudo junto, todos podem ouvir de todos. Tanto os que esperam, quanto os que entrevistam. Mas não fiquei analisando os consuls, nem nada disso. Simplesmente esperei. Logo chamaram meu nome. Guichê 8. (meu novo número da sorte hahaha)

Nesse guichê tinha um casal sendo entrevistado, um cara que ainda estava na minha frente, e eu. O casal foi aprovado, e o consul resolveu tomar água. HAHAHA Demorou!! Depois disso, a entrevista do cara na minha frente também demorou um pouco. Ele tava aplicando para ir fazer um treinamento de piloto para a Copa Airlines, e como o consul não fala PT muito bem, ele tava com um pouco de dificuldade para entender a situação do cara. Quando os dois se entenderam bem, tudo certo e o visto dele foi aprovado. No fim das contas, fiquei 15min esperando a minha vez de verdade.

AÍ ERA EU!! E NÃO ACREDITO ATÉ AGORA QUE JÁ PASSEI POR ESSA FASE. (vide atualização da minha lateral direita, com um status bem animado rs).

E a entrevista foi assim:

C – Consul
E- EU

C – Bom dia! (Super simpático!)
E – Bom dia!
C- Qual o motivo da viagem?
E – Au Pair
C – Hmmmm, au pair, all right!
Digita, digita, digita
C- So, why are you going?
E – Because when I come back to Brazil I wanna be a social worker and I think the personal growth and the experience I can get with this program will help me a lot in being a better professional.
C – Ok (risinho de aprovação)
Digita, digita
C – So, you’re going to live in Minnesota. Do you have any experience with snow?  (rindo)
E – No, no, but I know I’ll have there.
C – How long have you worked with kids?
E – With the little ones almost one year (respondi assim, porque lembrei que as minhas host kids são little, mas podia ter respondido qualquer coisa, já que eles não têm as informações da nossa HF!)
C – Hmmm, and with the olders? (nesse momento percebi que eu não precisava ter sido tão explícita na resposta da pergunta anterior rs)
E – Hmm, about four years (por causa dos meus primos. Só que na verdade não tem como contabilizar minha experiência com meus primos, então apenas chutei um tempo rs)
Digita, digita, digita
C- And what do you do here? Do you study?
E - No, I'm just working in an office in the afternoons and in a daycare in the mornings (pra que citar as coisas na ordem cronólogica né? é o nervoso gente! rs)
C – Do you study english?
E – Yeah, I studied in na specialized school.
C – So, I have to ask you what would you do in an emergency situation?
E – Call 911 and keep calm (eu rindo, e o consul também).
C  - Ok, good.
Digita, digita, digita.
Pega o DS e  assina õ/
C – Ok, I approved your visa
E – Oh, thank you so much! (eu não acreditava no que ouvia!!)
C – You’re welcome (dando os ombros, como se não fosse nada demais rs).

Then, ele me deu o livrinho de regras e disse que eu não poderia deixar de carregar o DS comigo SEMPRE  que fosse viajar in ou outside dos EUA. (aqui ele até comentou sobre a proximidade de Minnesota com o Canadá, e disse que eu poderia aproveitar pra conhecer lá hehe).

Depois ele me perguntou se eu tinha entendido tudo, eu disse que sim, e ele ainda recomendou que eu comprasse casacos para a viagem! Minha entrevista terminou com um lindo e sonoro "Enjoy your time!". Sem grosserias, sem precisar de nenhum documento extra. *-*

Sério, muito querido e muito diferente da maioria das entrevistas que eu tinha lido por aí, (Claro, as perguntas basicamente as mesmas, mas o jeito dele não).

Depois disso saí correndo do consulado, louca pra contar pro meu pai! Acreditam que não encontrei o bendito no nosso ponto de encontro? Eu tava era pronta pra contar para a primeira pessoa que me aparecesse, ainda que eu nem estivesse acreditando! Hehehe

Depois de entrar em todos os cafés da rua do consulado, achei meu papai rs Lá no fundinho da café tava ele, assistindo o jogo. Aí perdi a vergonha na cara, e falei meio alto "Ouuuu", tentando chamar a atenção dele. Quando ele me viu, nem precisei dizer nada, tava estampado na minha cara I GOT IT! Nos abraçamos e pegamos o celular para começar a espalhar a boa nova hehe


Essa sensação é maravilhosa, saber que finalmente conquistei algo que eu queria muito e há muito tempo, e que tinha sido de primeira! :)Nunca fui tão agradecida a minha família pelo apoio, e também, a todas as pessoas que encontramos pelo 'caminho' que nos ajudaram de uma forma  ou de outra nesses quatro dias. E claro, tenho que agradecer muito a vocês que me deixaram tantos recadinhos dizendo que tudo daria certo. De verdade, foi muito importante pra mim!


Hoje vou parando por aqui, porque esse é o post mais longo da história, for sure! (aliás, parabéns pra quem leu tudo rs)

Beijos, 
Duda!

PS1: Agora, ao fundo do título do meu blog, no lugar da nossa linda Golden Bridge, vocês podem ver uma foto da minha futura cidade no outono :)
PS2: desejo profundamente que todos que estão no processo passem por toda essa emoção da aprovação do visto, é sem explicação! (e ah, não esqueçam o passaporte! hahaha)