quarta-feira, 16 de abril de 2014

Confissões dos pais de uma au pair

Esses dias me bateu uma curiosidadezinha de saber melhor como meus pais lidaram/estão lidando com essa coisa toda de ser au pair. Eles sempre me apoiaram, nunca me disseram o contrário pelo menos hehe E até hoje lembro da correira que eu e meu pai fizemos pra chegar em POA em tempo do meu horário na Delegacia da Polícia pra tirar o passaporte (não lembra? eu registrei a história aqui haha), ou então, das muitas palavras de apoio nos dois dias em que rodei na prova da carteira, ou dos dias em que me emprestaram o carro (mesmo que no fundo, muito provavelmente com o coração na mão haha), ou do dinheiro que investiram para irmos a SP fazer meu visto, ou do muuuito dinheiro que indiretamente me deram pro intercâmbio, já que eu guardava o meu salário e gastava o deles, sem contar que era salário de meio-turno, porque na outra parte do dia eu ia de voluntária pra creche, enfim, não tenho certeza de já ter dito isso a eles, mas eu sou MUITO GRATA pela família que tenho. Tanto micro quanto macro rs Não somos perfeitos, até perdemos a paciência uns com os outros muitas vezes, mas eles são a minha familia e com certeza não há outra igual.

Enfim, nessa curiosidade que me bateu, em saber o que eles acham dessa papagaiada toda de morar fora (porque uma coisa é apoiar, outra diferente é o sentimento que isso lhes causa), resolvi pedir pra eles escreverem algumas palavras porque eu queria postar no blog (o que foi mais uma estratégia para fazerem eles escrever rs) e ai vai:

"Lembro que quando você falou sobre isto pela primeira vez, não negamos, e você  decidiu que iria fazer “ os passos todos” e que se desse certo, queria nossa ajuda, nosso apoio, nossa permissão.

Assim você passou muito tempo lendo os posts das outras meninas... Visitou agencias, foi em feiras onde havia estandes de agencias que promovem intercâmbios, organizou-se para fazer a carteira de motorista, estudou inglês com afinco ( e quando te via falando com estrangeiros na jornada tinha certeza de que você falava fluentemente o suficiente para se virar nos EUA.)Alem disto, teve dedicação, determinação de ir todas as manhas trabalhar como voluntaria numa creche, cuidando de crianças, ajudando professoras, se importando com elas (as crianças), ate visita sócio educativa ajudou a fazer.
Depois, foi preencher a papelada e esperar pelas possíveis entrevistas..quanta ansiedade em tudo... Lembro que enquanto isto tudo acontecia, eu e a mãe falávamos sobre o dia D...e que cada vez mais, o que poderia ter sido um sonho se transformava  em realidade..ficar sem a cona-cona por um ano... [aka: desde criança eles chamam a mim e a minha irma de cona-conas, ou sou a maior, e a Dani, minha irmã, a pequena - se bem que em tamanho ela já ta maior que eu oO]
Preocupações? Sim...saúde, segurança, saudade ( não é a mesma coisa que tristeza) veja que a reta final dos preparativos coincidiu com a novela salve Jorge, onde o trafico de mulheres foi abordado... [percebe-se aqui que então meus pais também pensaram, no fundo, que o futuro da Morena podia ser o meu? rs]  Alem disto, no meu dia a dia, ouvi varias historias de pessoas cujas filhas foram e se depararam com realidades distintas em relação ao prometido...que o seguro saúde não cobria...que a jornada era outra...enfim...
Por outro lado, a educação que tentamos dar pra ti e para a Dani foi no sentido de que  “os filhos são para o mundo”.  Quando tinham por volta de 10 anos, iam sozinhas ao dentista. Pegavam ônibus, desciam no centro, caminhavam umas três quadras, voltavam pra casa. Nos conflitos na escola, sempre incentivamos que vocês mesmas resolvessem as questões que apareciam, tanto com colegas, como  com professores. [gente, uma vez, quando eu tava na antiga 2ª série, um guri atirou uma pedra na minha cabeça no recreio. cheguei em casa, contei pro meu pai e ele NÃO foi na escola no outro dia, pra falar com a professora. Quem teve que falar fui eu haha nunca me esqueço dessa historia rs]

Tudo isto, para que crescessem capazes de decidir, de fazer escolhas, de não se deixar levar ou influenciar por tantas coisas negativas que existem por ai.
Diante deste cenário todo, é que passamos este tempo de preparação para o intercambio, de coração meio apertado, mas felizes pelas escolhas de nossa menina, pela sua dedicação, persistência, de correr atrás de seu sonho. Por enquanto, choramos nós dois, bem pouquinho. Uma vezinha só."

Lindos né gente? eu sei (L) E minha mãe pediu pra acrescentar que no começo ela achava que eu falava só da boca pra fora, mas quando comecei a ir todas as manhãs la na ABEFI ela percebeu que os "paranauê" estavam ficando sérios! hahaha

Pra provar que minha sis é maior que eu rs

Beijos,
Duda!

PS1: #100HappyDays de USA hoje =]
PS2: Obrigada à Amanda por ceder os direitos autorias do seu blog para o título desse post rs

15 comentários:

  1. Família linda Duda ! Parabéns !
    Que lindo esse relato, e mais bonito ainda a maneira deles em educar você e sua irmã para vida ! Descobri por que você no auge dos seus 19 anos é uma guria madura e determinada !
    E que bacana essa sua iniciativa de buscar o relato dos seus pais (algo inédito, pois nunca vi declarações de pais de uma AP) e com certeza servirá para futuras AP mostrarem a suas famílias quando essas não aceitarem a ideia, e que isso será necessário para nosso crescimento.
    Curti demais ! Beijos ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada, amanda :) eu nao tinha pensado por esse lado de auxiliar familia de meninas que nao apoiam a ideia de ser au pair, mas é verdade, tomara que seja util pra alguem!

      Excluir
  2. Que lindo, Duda. Muito bem escrito e falado, aliás. :)
    Tudo realmente fica muito mais fácil quando temos um suporte e pessoas que sempre se mostraram disponíveis e que se sentem realizadas por você. Aproveita!

    Depois de sumir um pouco, voltei e li todos os posts que tinha perdido. Que absurdo que já fazem 100 dias que você tá aí! Passa voando demais!!!

    Um beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nem me fale julia!! só mais 265 agora rs

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Hey Duda,
    OMG - Nem preciso dizer que minha família é muito parecida, isso que nem estou nos States ainda hehhe
    Nos Skypes, minha mãe assiste de longe e fala " Eu não acredito que você fala inglês como se fosse português" hehe
    Meu pai só passou a acreditar quando viu que meu inglês estava melhorando e ele precisou que eu falasse algo " Eu estava na básico" para então seguirmos na direção certa (do lugar que estávamos indo) - Eu nem preciso dizer novamente que ele acreditou mais ainda quando eu falei/mostrei os papeis da agência - agora a ficha final vai cair quando eu mostrar as passagem hehhe
    Show sua família ter escrito isso aqui, afinal super faz parte da jornada, pois ninguém melhor que nossa família sabe/esteve presente no momento de ansiedade, felicidade e tristeza dentro desse processo todo...
    #100HappyDays USA ^^ Feliz por vc ^^
    BjOS

    ResponderExcluir
  5. legal quando a gente pode contar com eles né? hehe
    eu ja acho que meu pai exagera um pouquinho na confiança no meu ingles hahaha
    bjj

    ResponderExcluir
  6. Tiro o chapéu para seu pais Duda. A educação que te deram... não precisamos te encontrar pessoalmente para descobrirmos q foi excelente. (apesar q vale mto a pena te encontrar em personal rs) Amei, amei e amei... a ideia, as palavras, o carinho... lindo, lindos, todos! Não são todos os pais e aceitam e incentivam nossa ideia de vir pro exterior assim, de primeira. Esse post realmente será mto útil para futuras Au Pairs.. Minha mãe não aceitou no começo, foi difícil faze-la entender q era um programa serio... se ela tivesse lido esse relato na época tenho certeza q teria sido um tanto mais easy.. Um super beijo à vc e sua linda family q logicamente são mto orgulhosos da filha madura e agora, independente q tem!
    PS: parabéns pela dedicação q teve com seus trabalhos voluntários... são tão poucas as q realmente correm atrás de experiências com kids... mtas lamentavelmente pedem pra pessoas (q as vezes nem filhos tem) assinarem os forms e depois chegam aqui com 0 experiências com kids e reclamam q cuidar deles é mto hard... =/ well, obrigada por fazer parte da exceção! =]]]]]]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. meus pais sao demóis mesmo hehe
      to achando que meu pai vai ficar se achando com o teu comment isso sim haha
      e eu acho o fim da picada as meninas que burlam as referencias, não faria isso, mas de jeito nenhum mesmo! sem contar que foi muito prazeroso o meu tempo de voluntariado, faria tudo de novo e melhor ainda, se fosse o caso :B

      Excluir
  7. Owunnnnnnnnn Que família fofa Duda!!!
    Adorei ler sobre o que a sua mãe acha do intercambio, e não tenho duvidas da excelente educação que te deram, sou super a favor que os filhos são para o mundo e que devemos criar, educar e ensinar a tomarem suas próprias decisões e seguir o caminho do bem. Você é um exemplo que educação assim funciona.
    Não tenho um relacionamento muito bom a minha mãe, mas todos em casa me apoiam, já é uma grande coisa a menos para não se preocupar neh ?!?!
    Beijos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada thais! e COM CERTEZA é uma coisa a menos hehe

      Excluir
  8. Ownnnn ameiiii o post!!! Seus pais sao uns fofos Duda!
    Parabens pela familia maravilhosa1! <3

    ResponderExcluir
  9. Que queridos, Duda. Eu acho tão lindo quando a família é unida e amiga assim *-* Parabéns, tu tem uma sorte imensa e eles também! Adorei o post! Beijos <3

    ResponderExcluir