sábado, 5 de julho de 2014

HF x Boss

Olá, pessoal!

Sim, mais uma dia 05 e eu estou aqui postando haha Acho que finalmente aquela ideia de posts em dias específicos vai engrenar! rs Hoje quero escrever um pouco sobre minha opinião com relação ao relacionamento que mantemos com a host family, o de família ou patrão/empregado?

Quando eu estava no Brasil, eu sabia sim que nem todas as famílias tratavam a au pair como parte integrante da família e também que muitas das au pairs se sentiam/se colocavam na posição de simples babá na casa. Na minha cabeça, eu encontraria uma HF que me trataria como parte da família deles, eu queria isso e deixei bem claro no meu perfil. Eu me conheço e tenho certeza que eu não daria certo em uma família que não me desse a mínimia durante meu tempo off. Eu não conseguiria parar de trabalhar as 5pm descer pro meu quarto, sair de casa todas as noites pra fugir e só voltar a ver alguma alma viva da casa no outro dia quando eu começasse a trabalhar (claro que isso acontece as vezes aqui, porque eu acabo tendo meus compromissos e eles o deles, mas na maioria dos dias não é assim que funciona).

Quando li o application da minha família, eu me animei bastante. Senti que nós poderíamos dar certo (e deu mesmo! haha) Porém, minha relação com eles não é a mesma que eu achei que seria quando eu estava no Brasil pensando em uma futura HF. E acho que diversos são os fatores, mas os principais são: 1-diferença cultural. 2-a primeira razão pra eu estar morando aqui é porque eles precisam de alguém para cuidar das kids e nao porque eles querem um 6º integrante morando na casa.

Com relação a cultura: a questão é que americano é diferente de brasileiro, ou brasileiro é diferente de americano. haha Eu perdi as contas de quantas vezes meus hosts falaram que sou da família e que eles me amam. Mas eu não consigo sentir assim (da parte deles com relação a mim) por motivos de que eles, na minha opinião, não agem como se realmente se importassem com minha vida fora de casa. Quando eu volto, sempre perguntam: tu te divertiu? Eu digo que sim, conto alguma coisa engraçada que aconteceu, e pronto, nunca mais tocam no assunto. Posso ter passado três dias ou três horas fora de casa, a duração de uma conversa desse tipo vai ser sempre a mesma. Desde que tô aqui, também, eles nunca me perguntaram como eu estava me sentindo, se com saudades de casa, ou não. E sinceramente, eu tenho quase certeza que eles não fazem isso por causa da cultura individualista deles e não por não quererem me fazer senti bem aqui. Meus hosts nem com os irmãos/pais tem esse tipo de relação que eu achava que uma HF teria com a aupair! hahaha

Com relação ao motivo pelo qual eles escolheram ter uma au pair: eu também tenho quase certeza de que eles dizerem que me amam e querem que eu fique mais um tempinho por aqui tem muito mais a ver com o fato de eu tentar fazer um bom trabalho com as kids, ser uma boa au pair do que a relação de amizade que nós temos (porque sim, do jeitinho americano, mas nós nos consideramos amigos haha). Em contrapartida, eu não amo eles porque meu dão $200 por semana e me provem comida, eu amo eles porque tenho carinho por eles, acho que eles são pessoas de bom coração, divertidos, uma família muito bonitinha mesmo.

Esses dias nós fomos à "praia" juntos, e não sei porque, entramos nos assunto de quando eu chego tarde em casa. Eu contei pro meu host que sempre caminho na ponta dos pés e em slow motion - até encenei pra eles haha - porque meu host ta sempre adormecido no sofá da sala, com algum filme rodando na TV haha Ele perguntou "por que?" e eu respondi, na brincadeira "porque não quero acordar meu boss!". Gente, parecia que eu tinha ofendido ele rs Ele murchou a cara e disse "ah, eu espero que tu nos veja como um pouco mais do que chefes" haha Preciso dizer, eu até achei fofinha a careta que ele fez. É claro que eu vejo eles como mais do que simples chefes, e ai expliquei isso pra eles e que eu tava brincado kk Mas também, olha o que aconteceu esses dias: durante a janta, meu host me contou algo pessoal da vida deles, e completou "não que tu te importe, eu só estou comentando". Aí eu respondi "But I do care!" (mas eu realmente me importo) super enfática, então ele pareceu surpreso e perguntou "Really?". Deu pra ver como esses americanos são confusos? Querem que eu os veja como mais do que chefes, mas ficam super surpresos quando percebem que eu tenho interesse na felicidade deles haha

Enfim, deu pra entender o que eu quis dizer? Na MINHA família é assim que funciona: eles dizem que sou parte da família, me tratam sim como muito mais que uma babá, mas não sou filha mais velha da casa (isso eu nem esperava mesmo) e volta e meia eu sinto essa diferença cultural.

Eu recomendaria as meninas que estão vindo a não alimentarem esse sonho de irmã mais velha, parte da familia, etc e etc, porque de TODAS as au pairs que conheço com propriedade a relação entre família e au pair (e não são poucas), apenas uma delas é realmente tratada realmente como filha mais velha. E não é por causa da au pair, e sim por esse ser o jeito da família. Essa família está começando o ano com a quarta au pair, e todas as três anteriores são tratadas como integrantes da casa deles até hoje.

Em muitas situações do cotidiano a gente vai ser lembrada do verdadeiro motivo pelo qual estamos aqui - trabalho! - mas isso não nos impede de também ter uma boa relação com as famílias. É preciso muito equilíbrio e não deixar as coisas se misturarem. Essa semana mesmo eu tive um episódio aqui na minha família, um desses entre patrão e empregado, do qual eu não saí muito contente (apesar de a  minha família não ter feito nada fora das regras), mas eu não deixei isso me afetar a ponto de eu ficar braba com eles e interferir na nossa relação de "amigos". As vezes é difícil, mas acho que é assim que o nosso ano tem mais chances de dar certo. Obvio, não to falando de abaixar a cabeça pra tudo e deixar as familias explorarem (porque isso acontece em muitos casos, sim!). Estou falando de analisar a situação e tentar tomar a melhor decisão para que seu ano de au pair seja um sucesso. 

Pra encerrar, vale lembrar que estou dando a minha opinião baseada na minha experiência aqui, nas coisas que leio/ouço mas que ainda assim, sou contra generalizações e que sim, muita coisa pode ser diferente na tua história.

Beijos,
Duda.

15 comentários:

  1. Duda..
    Muito interessante seu relato, em poucos dias estarei indo de encontro com a minha HF. Estou tentando ao maximo nao criar muitas expectativas, mas eh quase impossivel neh... Sei que ser tratada como irma mais velha eh quase impossivel, e nem sei se eu realmente iria querer me sentir assim... Mas desejo e darei o meu melhor para ter uma otima relacao com eles, e me sentir bem lah... acho que se eu conseguir isso estarei feliz ;) eh realmente dificil imaginar como sera... mas se Deus quiser dara td certo !!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é muito dificil mesmo thais! rsrs e tu estar disposta a tentar uma boa relação ja é meio caminho andado, segundo meu host rs porque eles tiveram uma au pair que segundo eles, se auto isolou. As vezes por causa do ingles, homesick e tal, mas a gente t
      em que mesmo mostrar que está disposta a desenvolver um relacionamento legal com eles. :)

      vai dar tudo certo sim, e tu vai deixar a gente atualizada la no blog! heheh

      beijos!

      Excluir
  2. adorei a perspectiva. acho que a diferença cultural interfere mto. mas o que mais impede de a pessoa ser uma 'filha mais velha' é o fato do trrabalho. se eles quisessem mais uma integrante em casa, adotariam alguem. mas enfim, o negócio é ter pé no chão que tuda dá certo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade, naura. pé no chão é imprescindível!

      Excluir
  3. Oi Duda.
    Eu tinha essa expectativa, rs. Acho que toda menina quer chegar lá e acreditar que não está sozinha, que faz parte de uma família, seria bom de mais pra ser verdade né? É bom ler relatos como o teu, pois assim entendemos um pouco mais a realidade.
    Eu te acho tão fofa *-* "eu amo eles porque tenho carinho por eles, acho que eles são pessoas de bom coração, divertidos, uma família muito bonitinha mesmo".
    Sabe, eu também vou colocar no meu app que quero fazer parte da família e tal, apesar de saber que não vai ser exatamente assim, pois pelo menos pretendo encontrar uma família que pense um tanto parecido.
    Beijos <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ah, muito obrigada por me chamar de fofa, eu aprecio mt esse adjetivo hahaha
      no fundo a gente sempre espera mesmo! rs mas aprender a se virar sozinha tambem faz bem, além do que, as amizades aqui são um suporte e tanto. entao, sooozinha, sozinha mesmo, eu não acho que estejamos rs

      Excluir
  4. Oi Duda.
    Eu concordo plenamente, já tenho na minha cabeça que eles nos querem principalmente pelo nosso, assim como nós queremos um trabalho e um lugar pra morar, é uma relação de troca, mas que principalmente essa convivencia integral com uma familia americana faz que tenhamos esse contato tão intenso com a cultura e tradição americana e nos torna amigos e aprendemos a conviver com as diferenças, o que torna esse programa um verdadeiro intercambio cultural.
    Beijos :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é por ai mesmo, ana. é uma relação de troca e o programa vale muito a pena!

      Excluir
  5. Oi Duda! lindo o post (como de costume rs) Depois de por mais de 2 anos escutando (pessoalmente) historias de diversas Au Pairs contando sobre o relacionamento delas com os hosts... acho q a sua família faz parte da generalização - afinal, a maioria dos hosts são como os seus: Tratam a Au Pair bem, demonstram q a amam e q a querem pela "vida toda" porém, culturalmente nao se preocupam como a Au Pair pensa q deveriam... Com a minha exHF foi diferente. Eu nunca me senti como a filha mais velhas dos hosts, mas como a irmã mais velhas das kids sim! Pelo fato de q durante 100% do tempo em q eu estava em casa, eu conseguia sentir o carinho das KIDS me considerando como a sister deles *-* Mas meus hosts foram pelos 2 anos meus bosses, com certeza. Uma opção minha também, aliás nunca dei abertura para me tornar bff deles.. parte da minha personalidade. BUT, lógico q tem as historias dos hosts super bonzinhos q acabam por querer adotar a Au Pair e a maioria desses são aqueles q após o termino do 2º ano da Au Pair resolvem ser their sponsors e pagar uma facul pra AP ficar com eles por mais 4 anos e tal... Tem todo tipo de host parents por ai, desde os q exploram as AP exigindo q elas façam ate a laundry deles, aos q NAO jantam enquanto a AP nao se senta na mesa.. incluindo nos dias offs.. enfim, soh tenho a dizer q vc faz parte das de 'sorte', assim como eu... mas nao por termos hosts 'legais', mas sim por sabermos enxergar as coisas boas neles :) Bjokas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada, gi!
      e tu falou bem a verdade, existem familias de todos os tipos, e au pairs tambem rs que bom que somos de 'sorte' hehe
      senti falta do post do dia 12! tu vai mudar o dia? hehe
      beijos! =)

      Excluir
    2. Então Dudinha.. decidi postar only no ultimo dia de cada mês agora ^-^ bj

      Excluir
    3. ahh, entendi! vou ficar ligada entao hehe

      Excluir
  6. Olá Duda,
    Pois é imagino que não deve ser fácil morar com os chefes, Acho que quase todo mundo já teve aquele momento em que só quer ir embora para casa, e no caso do Au pair, o máximo que tu consegue é "subir para o seu quarto" - Toda família tem problemas até a nossa de verdade hehhe
    As vezes as aventuras que acompanham tudo isso compensam as vezes não...
    BjOS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acho que a maioria compensa, viu? hehe é muito louca essa vida, mas é recompensadora sim :)

      Excluir
  7. Imagino perfeitamente a situação. As eles ficam meio secos tbm por causa que sabem que vc não vai ficar para sempre ou porque têm medo de se apegar a você e não ser recíproco. A forma que vc espera ser trada, acho que depende muito de como vc se coloca. Por exemplo, se eu me comportar como uma simples babá e me enxergar como tal, acho que vou ser tratada como tal.
    Adorei seu texto, bem reflexivo e fácil de ler!
    Beijos linda!

    ResponderExcluir